PERCURSO #8: PIONEIROS

O percurso 8 da pesquisa de campo do projeto Sombras corresponde à porção norte do Centro da cidade somada ao bairro Pioneiros. Este percurso está compreendido entre as ruas Central, avenida do Estado, o morro do Corrêa e o mar. Assim, como todo o Centro da cidade, é uma região muito urbanizada e verticalizada, com a ocupação do território bastante densa e poucos lotes vazios. Neste percurso temos a presença de alguns conjuntos paisagísticos de bastante relevância na paisagem urbana: o rio Marambaia, que percorre todo o Centro da cidade e deságua no mar no Pontal Norte e o morro do Corrêa, localizado na foz do rio Marambaia, formando o Pontal Norte da praia.

Este percurso está localizado em uma região muito urbanizada da cidade e com a presença predominante de novas edificações nos lotes, o que acabou promovendo a remoção da maioria das árvores de grande porte nos espaços público e privado. Esta condição faz com que os poucos exemplares arbóreos restantes se destaquem bastante na paisagem, especialmente pelo fato de que são aqueles de grande porte os que ainda resistem ao crescimento da cidade.

Encontramos neste percurso algumas das mais populares praças da cidade: a praça Almirante Tamandaré, a praça Higino Pio e a Praça da Cultura. Todas elas na porção mais central do Centro e que se caracterizam por terem seu território totalmente impermeabilizado pelo concreto e com muito poucos elementos arbóreos. Fato que deixa estes espaços públicos de lazer bastante áridos e pouco agradáveis ao estar, servindo quase que naturalmente como simples locais de passagem de pedestres.

Um dos conjuntos paisagísticos mais significativos que compõem este percurso é o rio Marambaia, reconhecido como o rio do Centro da cidade. O Marambaia tem seu percurso paralelo à orla da praia, percorre longitudinalmente toda região central, estando em parte de seu trajeto submerso à pavimentação urbana. Por se encontrar em uma região de ocupação territorial muito densa, o rio, em seu trecho à céu aberto, tem suas margens e vegetação ciliar bastante suprimidas, sendo em muitos pontos totalmente inexistentes.

Uma das principais nascentes do rio Marambaia foi apresentada no Percurso 6, e fica dentro do Centro Educacional Municipal Vereador Santa. Outro afluente importante é o Ribeirão do Nim, e o ponto de encontro de suas águas é facilmente reconhecido pela formação de um exuberante bosque, localizado no terreno de um hotel. Este bosque é a principal área verde na região central, tanto por sua grande dimensão quanto por sua formação de mata nativa com diversas árvores de grande porte. O ribeirão do Nim tem suas nascentes no alto dos morros do bairro das Nações, e praticamente todo seu trajeto acontece com seu leito submerso sob a pavimentação urbana, ficando à céu aberto em parte do trecho de sua foz.

O rio Marambaia é objeto de muitas discussões da vizinhança e dos gestores públicos, uma vez que, devido aos maus tratos da administração pública nas últimas décadas, o rio apresenta péssimas condições ambientais, não sendo raros os momentos de alagamentos e reclamações pelo mau cheiro e visual pútrido de seu leito. Com a ocupação irregular de suas margens, supressão agressiva de sua vegetação ciliar e as constantes, e presentes até hoje, infiltrações de efluentes urbanos, o rio normalmente é reconhecido pela população como um obstáculo e um problema a ser eliminado, resistindo bravamente ao descaso histórico que a cidade o impôs.

Recentemente, têm surgido alguns esforços da municipalidade e da própria sociedade civil com objetivo de resgatar a vitalidade deste importante corpo hídrico. Ações de despoluição com identificação e fechamento de despejos irregulares de efluentes, além de mobilizações da vizinhança e de ativistas ambientais, têm apresentado uma nova condição para o futuro do rio e já tem conquistado tímidos, mas esperançosos, resultados. Atualmente o rio teve o prolongamento de sua foz promovida pela construção de um molhe de pedras e concreto, o Molhe do Pontal Norte, um dos novos pontos turísticos da cidade. Além de ser um local de passeio e ancoragem de barcos de pesca, serve para evitar o contato direto das águas poluídas do rio Marambaia com as águas do mar no canto da praia.

Outro conjunto de grande relevância na paisagem urbana da cidade é o Morro do Corrêa, no bairro dos Pioneiros. O nome do morro está associado à família dos Corrêa, uma das famílias pioneiras da ocupação do território da cidade, que ali se instalou e ainda tem alguns de seus representantes morando na região. O morro está localizado na foz do rio Marambaia e junto com ele definem o Pontal Norte da praia Central. O morro tem quase a sua totalidade revestida por uma cobertura vegetal bastante densa, formada por vegetação nativa, e ainda bastante preservada. O conjunto formado pelo morro é composto de vários elementos paisagísticos de grande destaque: a Ponta do Corrêa, porção do morro que avança sobre o mar e define a ponta norte da enseada; a Prainha, praia com faixa de areia bem curta; a praia do Buraco, praia localizada na porção norte do morro, e parte de sua faixa de areia está em frente a um resort, sendo acessada exclusivamente por uma trilha, o que confere à ela certo caráter de praia deserta; deck do Pontal Norte, deck de madeira que contorna o morro e dá acesso à Prainha e à praia do Buraco; e, por fim, o mais novo ponto turístico da cidade, a roda gigante FG Big Wheel, implantada entre a densa vegetação no pé do morro. Destacamos que, uma das contrapartidas ambientais propostas pela empresa da roda gigante foi a criação de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural, a RPPN Dona Blanca, que destina parte do lote do empreendimento para ações de preservação da mata e educação ambiental.

Conjunto de amendoeiras na praça da Cultura, espaço criado sobre o rio Marambaia que passa submerso
Árvore de grande porte em frente à uma das últimas casas de madeira do Centro
Frondosa sibipuruna na calçada junto a parede cega de um supermercado, diminuindo a aridez da arquitetura
Árvores de grande porte na Avenida Brasil, território de intensa urbanização, são elementos cada vez mais raros na paisagem da região
Espaço público destinado ao lazer de cachorros, no trecho final do rio Marambaia submerso
Ribeirão do Nim em seu único trecho à céu aberto, contornando o bosque do hotel
Estação de tratamento de água experimental na foz do ribeirão do Nim, ponto de encontro com as águas do rio Marambaia
Bosque de mata nativa compõe o lote do hotel, contornando seu edifício
Bosque nas margens do ribeirão do Nim canalizado, nos fundos do hotel
Área verde de grandes dimensões no pátio de uma escola municipal de ensino infantil, na rua Miguel Matte
Bambuzal que integra a área verde da escola tem forte presença na paisagem da rua Miguel Matte
Trecho final do rio Marambaia com a presença significativa de vegetação ciliar em suas margens
Trecho final do rio Marambaia tem seu leito bastante largo, onde pescadores ancoram seus barcos em uma paisagem contrastada por arranha-céus
Foz do rio Marambaia, com a presença de ancoradouros de pescadores entre a vegetação ciliar, e ao fundo o molhe do Pontal Norte
Deck de pedestres do Pontal Norte contornando o costão do Morro do Corrêa, com a presença de exuberante mata nativa
Deck junto ao costão do Morro do Corrêa, ao fundo a faixa de areia da Prainha
Roda gigante sendo instalada no Morro do Corrêa, junto à foz do rio Marambaia no Pontal Norte

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s